Profissão Perigo

Bruno Paes Manso mostrou no Estadão de domingo como a morte de MC Daleste descortina uma onda de assassinatos de músicos da periferia de SP.

daleste_1

Profissão Perigo

Antes de ser morto no palco com um tiro no peito durante um show no sábado retrasado, em Campinas (SP), MC Daleste, de 20 anos, havia gravado seu primeiro videoclipe para passar no YouTube. O filme ainda é inédito. Foram investidos R$ 30 mil e as filmagens ocorreram em uma mansão em Igaratá, no Vale do Paraíba. Um helicóptero foi alugado para que o cantor chegasse dos céus ao lado de modelos. Daleste cantaria a música São Paulo com jovens bonitas e sexy, usando roupas de grife, tomando bebidas importadas e reforçando o estilo “funk ostentação” que o alçou ao sucesso. “Daleste sempre foi muito criativo. Sugeriu que filmássemos a cena final do clipe em Las Vegas. Mas não havia verba”, diz o diretor Renato Barreiros, que finalizou o trabalho antes da morte do cantor. O lançamento póstumo vai depender da vontade da família.

Nascido na Penha, periferia leste de São Paulo, Daniel Pedreira Sena Pellegrine, nome real de MC Daleste, havia realizado a façanha de estourar no mercado de funk paulista antes de gravar os vídeos para a internet que fizeram o sucesso de seus pares. Começou a cantar aos 16 anos, em bailes de comunidade e festas da escola pública Edgard Cavalheiro. O primeiro hit, Verdadeira Namorada, foi gravado em uma lan house para homenagear Erika Franco Teixeira, que acabou se tornando sua mulher. O dinheiro que Daleste ganhava nos shows ainda paga a faculdade de assistência social e o curso de moda de Erika.

Antes de estourar e até os 16 anos, o cantor ajudou o pai e os três irmãos a tomarem conta da mãe, Deusimar Pedreira Sena Pelegrini, que teve um aneurisma cerebral quando ele tinha 4 anos. Deusimar perdeu metade dos movimentos do lado direito do corpo e falava com dificuldade. Ela morreu quando Daniel tinha 16 anos. Nos anos que se seguiram, sob a influências de MCs da Baixada Santista, como Chiquinho e Amaral, inspirado em ídolos como Racionais MC, Sabotage e MV Bill, o sambista Tiaguinho e Jorge Benjor, o jovem talento da zona leste passou a escrever letras descompromissadas em cima de ritmos suingados, aproveitando o boom do funk que a cidade começava a viver. “Minha vida mudou da água para o champanhe”, disse Daleste ao Estado em março, de uma madrugada de sábado à manhã de domingo, quando a reportagem o acompanhou ao longo de cinco shows percorrendo 250 quilômetros em seis horas entre cidades da Grande São Paulo.

Somados, os sucessos por ele gravados nos últimos anos, como Angra dos Reis, Deusa da Ostentação, Água na Boca e Profissão Perigo têm mais de 10 milhões de visualizações no Youtube, mesmo sem videoclipes para divulgá-los. Depois da fama, Daleste comprou dois carros de luxo: um Dodge Journey e um Porsche Cayenne. Mas continuou morando na Penha. “Ele era simples. Não gostava de sair à noite, apesar de lotar as baladas. Era casado com a primeira namorada, mesmo cantando sobre mulheres. Tinha uma música sobre maconha, mas não fumava. Fez a música Angra dos Reis sem nunca ter visitado a cidade. Daleste não tinha inimigos e por isso sua morte levou a todos que o conheciam um ponto de interrogação gigante”, diz o empresário e músico Bio G3, que canta funk e agencia outros MCs de São Paulo, além de ser amigo próximo de Daleste. “Não havia ninguém querendo pegá-lo ou atacá-lo. Tanto que ele toma o primeiro tiro de raspão em cima do palco e continua cantando. Se houvesse qualquer temor, sairia correndo depois do primeiro disparo”, diz Bio.

Se Daniel Pelegrinni era um jovem simples e até ingênuo no dia a dia, em cima dos palcos Daleste incorporava tudo que o funk passou a representar nos dias de hoje na cidade. Atualmente, não existe fenômeno cultural mais provocador que o ritmo. Desde os poetas românticos dos séculos 18 e 19, os movimentos culturais populares contestadores, que defendiam a liberdade sem limites e provocaram mudanças em valores tradicionais da sociedade, foram liderados por jovens com menos de 30 anos. Era como se a transformação cultural fosse movida pelo excesso de hormônios, falta de juízo e pensamento de curto prazo da garotada imberbe. Juventude se tornou sinônimo de contracultura com o passar do tempo, provocando a famosa máxima rodriguiana: “Jovens, envelheçam”.

Nas últimas décadas, os roqueiros passaram a representar essa paixão hedonista e quase suicida pelos excessos, chegando a formar o grupo que ficou conhecido como o Clube dos 27, integrado por ídolos mortos nessa idade, como Jimi Hendrix (que em 1970 se engasgou com o próprio vômito), Janis Joplin (morta em 1970 por overdose de heroína), Jim Morrison (em 1971 por insuficiência cardíaca), Kurt Cobain (que era dependente de heroína e se matou com um tiro em 1994) e Amy Winehouse (por intoxicação alcoólica em 2011). No Brasil, Cazuza e Renato Russo, que morreram em decorrência da aids, também ganharam o status de ídolos imortais e românticos inveterados.

Neste século, o mal-estar dos jovens, sensação que o escritor americano Jack Kerouac definiu como a de “pinos redondos em buracos quadrados”, deixou de ser representado pelos jovens do rock’n’roll, ritmo que se tornou careta e mainstream. A classe média parecia incapaz de chocar como antigamente os pais que já haviam vivido Woodstock, fumado maconha e feito amor livre. No Brasil, coube aos pobres e negros do funk a responsabilidade de “causar” ao extremo. Em resposta, leis municipais foram criadas para proibir os pancadões, as festas feitas no meio da rua, onde policiais militares se tornaram presença garantida. São os funqueiros as estrelas que mais incomodam e chocam, celebrando os excessos, a vida desregrada, o gozo e a felicidade instantânea, mesmo que garantida à base de substâncias químicas, assumindo o papel que cabia aos roqueiros. Mulheres popozudas, que dançam imitando poses sexuais, letras de apologia ao crime, culto a marcas caras e a carros de luxo. As provocações parecem ao mesmo tempo estéticas e conceituais.

Não por acaso, nos últimos três anos, nesse ambiente desfavorável, quatro MCs de sucesso morreram assassinados, sem provocar nenhuma comoção dos públicos formadores de opinião ou das autoridades. Em abril de 2010, dois suspeitos de moto mataram Felipe Wellington da Cruz, o MC Felipe Boladão, quando ele se preparava para pegar um carro na Baixada e fazer um baile funk na cidade de Guarulhos. Um ano depois, Eduardo Antônio Lara, conhecido como MC Duda do Marapé, foi morto com nove tiros ao lado da rodoviária de Santos, local barra-pesada da cidade. Mais uma vez, homens armados passaram de moto e atiraram.

Jadielson da Silva Almeida, MC Primo, morreu em abril do ano passado em São Vicente. Dez dias depois, Cristiano Carlos Martins, o MC Careca, foi morto a tiros no conjunto habitacional Dale Coutinho, em Santos, em frente ao salão de cabeleireiro do qual era sócio. Assim como Daleste, todos tinham menos de 30 anos. Em nenhum dos casos os autores do crime foram descobertos. Nos anos dos crimes, a Baixada Santista havia se tornado cenário de disputas entre criminosos e policiais militares integrantes de grupos de extermínio. A suspeita, nunca confirmada, era de que policiais poderiam estar por trás dos crimes contra os músicos. Sem que nenhum tipo de resposta tivesse sido dada pelas autoridades para os crimes anteriores, Daleste foi atingido no sábado retrasado no palco do conjunto habitacional de Campinas.

Sinais dos tempos, o crime foi filmado por celulares de fãs que assistiam ao show. As imagens, em ângulos diferentes, postadas no YouTube, foram vistas por mais de 10 milhões de pessoas. Diversos vídeos foram feitos nos dias que se seguiram. Um deles mostra a suposta visita do MC ao próprio velório enquanto jovens cantam seus funks. Foi acessado por mais de 1 milhão de pessoas. Dossiês tentando desvendar o autor do crime, com base em imagens de celular, já prevendo a incompetência das autoridades para elucidar o caso, também se multiplicaram. Também bombaram os vídeos que celebram ou ironizam a morte de Daleste. Como uma paródia do videogame Doom, chamada Mate o MC Daleste, revelada em reportagem da revista eletrônica Vice, onde o jogador assassina o MC e dispara contra outros símbolos da cultura funk, atirando contra a apresentadora Regina Casé, do programa Esquenta!, em cartazes do Bolsa Família e até na estrela do PT.

A trilha sonora é a música Apologia, em que Daleste canta sobre assassinato de policiais. No final do jogo, aparece o grito de guerra do Batalhão de Operação Especial do Rio de Janeiro (Bope): “Homens de preto, qual é sua missão? Entrar pela favela e deixar corpo no chão”. Também perto de 1 milhão de pessoas assistiram ao vídeo. Dispensável mencionar os comentários em defesa do assassinato do jovem. “A morte de Mc Daleste é emblemática e joga luz sobre a ponta do iceberg de um profundo problema social. Daleste morreu em cima do palco da mesma forma que morrem os jovens pobres e negros da periferia cotidianamente, em crimes muitas vezes praticados pela polícia.

A morte dele é a consequência política do processo de criminalização do funk”, afirma o criminólogo Danilo Cymrot, doutorando na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, onde defendeu a dissertação Criminalização do Funk sob a Perspectiva da Teoria Crítica. Cymrot também integra o grupo Funclassic, que na última virada cultural homenageou os MCs assassinados. Assim como Morrison e Cobain, os MCs do funk são mártires por morrerem em nome da paixão romântica dos jovens, que se justifica mesmo quando eles se sacrificam por motivos que não parecem fazer nenhum sentido.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s